quinta-feira, 28 de maio de 2009

"Viva García Lorca", palmas às Bernardas Albas


Sábado foi noite de Teatro. Um drama muito bem montado e interpretado: “Y Viva García Lorca” pela Cia. Taraumara, de Campinas, sob direção de Batista Mendes.
Já os conhecia. Desde agosto do ano passado quando tive o prazer de ser jurada do “I Festival de Teatro Barros Júnior – modalidade Curtas Peças”, realizado no Espaço Cultural Barros Jr.
Dentre tantas esquetes de comédia e infantis, surge: “A Casa de Bernarda Alba”.
Simplesmente congelei. Karina Emílio e Inês Fabiano deram um verdadeiro show de interpretação.
Eu particularmente nunca tinha assistido a um monólogo interpretado por duas pessoas. Sim as duas são a mesma personagem e com a mesma força fazem o espectador mergulhar em suas angústias, tristezas e frieza. “Bernarda Alba” me encantou, me atraiu e conquistou.
Assim, na mesma semana os jurados se reuniram e de forma unânime as duas atrizes foram as grandes premiadas.
Além delas, outros quatro prêmios foram arrebatados pela Cia. Taraumara, dentre eles melhor direção e espetáculo.
Então, após nove meses de espera, o parto aconteceu! Estava lá, nas primeiras poltronas do Montécnica para assistir as “Bernardas Albas” me comoverem novamente.
É claro que sabia que esta seria somente uma das citações do espetáculo completo. Mas era essa cena que me fizera deixar de assistir a outra apresentação que também seria apresentada na mesma noite.
“Y Viva García Lorca” trouxe ao palco a vida e obra de Federico García Lorca. Dança, música e teatro estiveram presentes no espetáculo que expôs fragmentos das consagradas obras do dramaturgo: Mariana Pineda, Bodas de Sangue, Yerma e Bernarda Alba.
Resultado de quatro anos de estudos, e de muito empenho dos artistas, os poucos presentes puderam se banhar pela riqueza das palavras, pela força do pensamento do autor e pela sensibilidade da equipe Taraumara.
Nos ombros de Edi Queiroz e Marise Ratashima pesou a responsabilidade de serem donos dos textos mais longos e talvez mais complexos apresentados. Donos de vozes potentes e muitos sentimentos nos olhos, transformaram horas em momentos mágicos e inesquecíveis.
Quase no final do espetáculo as já citadas “Bernardas Albas” ganham o palco. Da mesma forma, invadem minha mente, fazem os meus olhos pequenos demais para tanta emoção e interpretação.
Densidade e verdade fazem do fragmento “A Casa de Bernarda Alba” o momento principal. Talvez, porque minha memória já o havia elegido como tal, talvez pelas impecáveis interpretações das duas atrizes que conseguiram desta vez, me impressionar ainda mais.
O resultado do espetáculo completo, com certeza pode ser resumido como imperdível e repleto de ótimos momentos. Assim, indico a todos os amantes das artes.


Obs.: As únicas ressalvas que faço são referente à iluminação e aos momentos de “canto”, dicas de melhoras essas, já passadas na época do Festival.

Para conhecer mais sobre o grupo e o espetáculo: http://www.grupotaraumara.com

(Teatro Montécnica - Salto/SP - maio/2009)

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Desagradáveis comparações


É desgastante, intolerável e injusto generalizar situações...
Cada decisão tem pesos diferentes. Depende muito do momento, da ação, da cultura e principalmente do contexto.

Que o mundo está em crise, todos sabemos.
Que as injustiças acontecem com todos, também sabemos.
Que cada calo dói proporcionalmente com a realidade de cada um, isso, poucos sabem (ou admitem).

É estranho, em pleno novo século, ver que as pessoas continuam individualistas, que só consigam enxergar sobre sua exclusiva perspectiva.
O fato de nem tentarem olhar sobre a realidade alheia me consome, me desanima, me faz perceber o quanto egoísta são os seres humanos.

O que me motiva é saber, porém, que para esta regra também existem exceções. Preciosidades essas que enriquecem o cotidiano, que trazem esperanças, que nos fazem sorrir novamente.

Assim, desejo aos meus amigos que procurem abrir a mente, olharem por outros ângulos, para que finalmente possam perceber que realmente "Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é..." (Dom de Iludir - Caetano Veloso - http://www.youtube.com/watch?v=0QJy0iPEEPw).

(Faces Ocultas Cia. de Dança em "Vela pra qualquer santo" - Auditório Maestro Gaó - Salto/SP - 2008)

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Carla (Rigolin) Hassétt


Na noite de sábado (16/05) O Teatro Montécnica sediou uma belíssima apresentação da cantora Carla Rigolin Hassétt. Ela, neta da conhecida Anastácia Rigolin, foi prestigiada por praticamente 90 pessoas, entre parentes, amantes da música e curiosos.
Com carreira firmada internacionalmente, Carla ingressou no mundo profissional da música aos 19 anos, cantando com bandas, gravando jingles nacionais e também iniciando carreira em Chicago.
Passou por Los Angeles e como back up singer gravou e se apresentou com diversos artistas, como: Gino Vannelli, Sergio Mendez, Christopher Cross, Christian Castro, Solomon Burke e Billy Idol.
Hoje, Carla se dedica as suas próprias composições e às artes de produção e gravação. Tendo lançado dois CDs, ela se prepara agora para o terceiro "Círculo", que traz a batida do samba e co-produção do baterista carioca Léo Costa.

Para conhecer mais o trabalho de Carla, acesse: http://carlamusic.com

(Teatro Montécnica - Salto/SP - maio/2009)

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Cantar


O suspiro entalado no peito
A lágrima suspensa no olhar
O sorriso que mal cabe entre os lábios
A palavra presa na garganta

Expressar todas as emoções em um só momento?
Cantar
Chorar a dor coletiva?
Cantar
Rir a mesma alegria de muitos?
Cantar
Gritar aos sete cantos do mundo e ter como resposta o mesmo som?
Cantar

Para quem diz que se "cantar os males espanta", digo mais: o canto é a fórmula eficaz para todos os momentos!
E é por isso que canto qualquer canto em todo canto!

(Foto por Valdinei/Revista Única - Show do Grupo Releitura - Teatro Montécnica - Salto/SP - 2008)

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Sensibilidade em pessoa


Numa conversa informal, porém riquíssima em sensibilidade e emoção, tive a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre a artista plástica Ana Maria Carneiro Camargo.
Inteligentíssima, equilibrada e humilde, Ana fez questão em me receber de braços abertos em sua casa!

Além da arte de pintar e desenhar, Ana sabe muito bem o que é ensinar a refletir e a se sensibilizar.

Saiba mais sobre Ana Carneiro na próxima edição do Jornal Voz da Cidade, que estará nas bancas e na internet a partir deste sábado(09).

Obs.: Acima, foto de um de seus quadros!

sábado, 2 de maio de 2009

Inebriada em Itu



Fui convidada recentemente pela gentil Camila para participar da coluna "opinião" do site Itu.com.br! Na oportunidade falo a respeito do Jornalismo Literário e também sobre minha patronesse Clarice Lispector!

Para ler o artigo completo, acesse: http://www.itu.com.br/noticias/detalhe.asp?cod_conteudo=18078
Aproveite a oportunidade para comentar aqui e lá também!

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Também inebriada...



Numa tarde de muito frio, sou surpreendida pela jornalista Rosana Bueno, que pelo MSN me entrega foto e texto, dizendo “Carol, é especialmente pra você”.

Pensando neste blog, Rosana flagrou esta árvore e escreveu:
“Depois de uma jornada de ‘n’ horas de trabalho eu passo pela Rua Tuiuti... mesmo muito cansada eu relaxo minha mente ao ver algo extremamente meigo. Lembro da minha amiga Carol que tem um blog com coisas meigas. E se tem algo que a gente esquece nesses dias é a ternura... Che já dizia: ‘... pero sem perder la ternura’. É, árduo desafio de conviver com tanta máquina, tanta tecnologia, e se tornar também um tanto quanto muito automatizado. Mas todos os dias que passo por ela eu paro meus pensamentos preocupantes sobre tudo e apenas sorrio... e penso na delicadeza da pessoa que teve a idéia de transformá-la num símbolo tão bonito. Lembro que preciso tirar uma foto e mandar para a minha colega inebriada...”

Bom saber que este espaço faz momentos de contemplação e principalmente de relaxamento e reflexão!
Está aí, Rosana em momento de estar também “inebriada”. Valeu!!!
(Rua Tuiuti - Indaiatuba/SP)